Capa

Dimensões social e administrativa da sustentabilidade são destaques em Congresso de Direito da PUC

O evento é organizado pelo IBRAEDP e Programa de Pós-Graduação em Direito de diversas universidades brasileiras, com apoio do IPDA - Instituto Paranaense de Direito Administrativo

08.11.2018  |  408 visualizações

Sustentabilidade e novas perspectivas jurídicas deram o tom a painel apresentado no VIII Congresso Internacional de Direito e Sustentabilidade, que acontece na PUCPR. As palestras foram feitas pelos professores Orlando Javier Moreno, da Universidade de Buenos Aires, e Vivian Lima López Valle, da PUCPR, sob coordenação do professor da UFRGS, Juarez Freitas. 

O evento é organizado pelo Instituto Brasileiro de Altos Estudos de Direito Público - IBRAEDP e Programa de Pós-Graduação em Direito de diversas universidades brasileiras, com apoio do IPDA - Instituto Paranaense de Direito Administrativo. 

Atos administrativos sustentáveis 

“Sustentabilidade exige lucidez, no processo de tomada da decisão”, lembrou o professor Orlando Javier Moreno, ao abordar a sustentabilidade no âmbito do Direito Administrativo, destacando que há necessidade de fortalecer a carreira de entes públicos. Citou os requisitos essenciais do ato administrativo, que devem ser cumpridos, pois estão previstos e implícitos no ordenamento jurídico.  Explicou que o parecer jurídico prévio é garantia para os administrados, porque impede a Administração de emitir atos administrativos que se referem aos seus direitos subjetivos e interesses legítimos sem a devida correspondência com a ordem jurídica atual, e, por outro lado, evita as prováveis responsabilidades do Estado, tanto administrativas, como judiciais, ao avisar as autoridades competentes sobre os defeitos que o ato possa conter. 

Falou ainda sobre comportamentos patológicos na Administração Pública, como, por exemplo, acreditar que não é possível reconhecer que os funcionários da administração estão errados; entender que a função do advogado do Estado é "acompanhar a gestão" dos funcionários em serviço e justificar todos e cada um dos seus atos; omitir deliberadamente o tratamento de qualquer questão, porque se entende que tratá-la não seria "politicamente" conveniente; limitar-se a indicar o que uma norma prescreve, com total indiferença do resultado axiológico a que conduz, e reconhecer menos direitos do que seria apropriado reconhecer, por medo de cometer erros "demais" e ter algum tipo de responsabilidade. 

Para evitar comportamentos patológicos de entes administrativos públicos, o professor Moreno propôs uma hierarquia e respeito pelo papel do procurador do Estado ou advogado público; admissão e promoção na carreira administrativa do procurador do estado com base no seu mérito pessoal; remuneração econômica adequada e ambiente de trabalho confortável. 

Dimensão social da Agenda 2030 

A professor Vivian López Valle enfatizou em sua palestra a dimensão social da sustentabilidade, abordando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que dizem respeito à fome, saúde, educação, justiça social e desigualdade de gênero. Disse que a multidimensionalidade da Agenda 2030 tem a função de transformando o nosso mundo. Resumiu os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e reforçou que para cumpri-los são necessários criar uma agenda de gestão pública para o desenvolvimento sustentável, ampliação do trabalho em rede, alteração de cultura organizacional e imposição de condutas  e um pensamento sistêmico. 

"Precisamos nos policiar para sermos sustentáveis todos os dias”, admitiu. E se declarou otimista em relação ao potencial transformador da atuação das redes de sustentabilidade. Destacou que as pessoas devem também se engajar nessas metas, revendo conceitos de consumo, por exemplo, tornando-o mais consciente e sustentável. “As políticas públicas devem dar oportunidade ao desenvolvimento das potencialidades, por meio de ações que erradiquem a pobreza e a fome, assegurem vida saudável e promovam o bem-estar e também uma educação inclusiva, equitativa e de qualidade”, reforçou a professora. 

Ao finalizar sua apresentação, a professora Vivian citou a Chimamanda Adiche, para afirmar que a desigualdade de gênero também está entre os objetivos da ONU e acredita, como a escritora, que “feminista é uma pessoa que acredita na igualdade social, política e econômica entre os sexos”.  Destacou que a dimensão justiça social é fundamental dentro da Agenda 2030, porque urge reduzir a desigualdade insuportável. “A prestação de serviços públicos deve ser igual para todos”, assegurou.   

Atendimento à imprensa:

NCA Comunicação – www.ncacomunicacao.com.br – (41) 3333-8017

Bebel Ritzmann – bebel@ncacomunicacao.com.br (41) 9 9957-1547

Ana Maria Ferrarini – anamariaferrarini@gmail.com – (41) 9 8442-3450

  • Professor Orlando Javier Moreno, de Buenos Aires
    (Bebel Ritzmann)

  • Professora Vivian Cristina Lima López Valle
    (Bebel Ritzmann)

  • Professor Juarez Freitas
    (Bebel Ritzmann)

  • Professores Moreno, Juarez, Vivian e Luiz Blanchet
    (Bebel Ritzmann)

Leia também...

13.09.2019

Workshop reúne mulheres para falar sobre as várias faces de Eva

O encontro será conduzido pela organizadora, a psicóloga Luiza Helena Gomes Pereira Rocha, que tem experiência na área de Psicomotricidade Relacional

11.09.2019

Ezequiel Piaz apresenta show Brasil em Cordas no Full Jazz Bar

Considerado um "guitarren virtuose", autêntico representante da música brasileira, músico faz show na casa no sábado

09.09.2019

Ultima semana para aproveitar o Curitiba Restaurant Week no Full Jazz Bar

Festival, que encerra no próximo domingo, é excelente oportunidade para conhecer a casa sua proposta gastronômica

06.09.2019

Palestra destaca violência contra mulheres e crianças e a alienação parental

Assuntos foram abordados pela advogada Rubia Abs da Cruz em evento promovido pelo Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher - CLADEM/Brasil

Entre em contato